ABNT / CB43

Comitê Brasileiro de Corrosão – ABNT / CB-43

Os Comitês Brasileiros são órgãos criados por instituições e aprovados pela ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas, mediante alguns requisitos, com a finalidade de administrar as atividades de normalização dentro do escopo de atuação pré-estabelecido. O Comitê Brasileiro de Corrosão – ABNT / CB-43 foi proposto pela ABRACO, onde funciona sua Secretaria, e aprovado pela ABNT em 2000. 

Escopo

Normalização no campo da corrosão dos metais e suas ligas compreendendo métodos de prevenção da corrosão; revestimentos metálicos, orgânicos e inorgânicos; inibidores de corrosão e produtos afins; proteção catódica e anódica; corrosão atmosférica e águas industriais, no que concerne à terminologia, requisitos, avaliação, classificação, métodos de ensaio e generalidades, excluindo-se corrosão em concreto, produtos à base de cimento, edificações e suas estruturas, produtos siderúrgicos revestidos, produtos e instalações destinadas ao uso de gases combustíveis, bem como aquelas relacionadas a saneamento básico.

Histórico

Desde 1982, a ABRACO abriga Comissões de Estudo através de um convênio com a ABNT, no que se refere a espaço físico para reuniões e apoio de secretaria e Biblioteca, atuando como intermediária entre as Comissões e o Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia – ABNT / CB-1, onde estavam vinculadas as Comissões.

Em meados da década de noventa, o CB-1 entrou num regime de insolvência progressiva, paralisando todo o processo de votação e publicação dos projetos de norma elaborados por nossas Comissões de Estudo.

Sensível a esse problema, a Diretoria da ABRACO iniciou uma série de negociações com a ABNT para que fossem retomadas as atividades de gerenciamento do processo de normalização.

Em 1999 foi proposta a estruturação de um novo CB, com secretaria sediada na ABRACO, e submetida à apreciação do Conselho Técnico da ABNT. Paralelamente foram efetuados investimentos com recursos próprios da ABRACO, que garantiram uma nova sala para o funcionamento do CB.

Também foram repassados recursos pelo Projeto RedeCorr – liderado pela Divisão de Corrosão de Proteção do Instituto Nacional de Tecnologia que viabilizaram o funcionamento do CB-43.

Todo este esforço culminou na criação do Comitê Brasileiro de Corrosão – ANBT / CB-43, cuja aprovação pela ABNT e instalação formal deu-se no final do mês de junho de 2000, após auditoria realizada pela Diretoria Técnica da ABNT.

Atribuições

  • Zelar e cumprir o disposto no Estatuto da ABNT e no contrato assinado entre a ABNT e a ABRACO.
  • Ser responsável pela Secretaria Técnica do CB-43 e prover instalações, pessoal e equipamentos necessários ao adequado desenvolvimento das atividades de normalização.
  • Viabilizar o custeio das atividades de normalização do CB-43.
  • Coordenar a elaboração, acompanhar a execução e garantir o cumprimento do PNS – Programa de Normalização Setorial.
  • Garantir que as Normas Brasileiras sejam elaboradas de acordo com as diretrizes da ABNT verificando o atendimento à ABNT ISO/IEC Diretiva Parte 3.
  • Coordenar e acompanhar a tramitação dos documentos normativos.
  • Encaminhar a ABNT parecer técnico aos Projetos de Normas regionais e internacionais específicos do setor.
  • Zelar e manter a disposição toda a documentação relativa às suas atividades.
  • Representar o CB-43 perante o Comitê Técnico da ABNT.
  • Apresentar a ABNT Relatório Anual das atividades do CB-43.

Estrutura Organizacional

SUPERINTENDENTE: Pedro Paulo Barbosa Leite

SECRETÁRIA TÉCNICAYla Alô Bonder

 

A ABRACO dá apoio técnico, financeiro e administrativo às atividades do CB-43.